Osteopata Pedro Marinheiro

Início » Posts tagged 'Sacro Craniana'

Tag Archives: Sacro Craniana

Anúncios

Pode a Osteopatia ajudar na Depressão?

Mais de 350 milhões de pessoas no mundo sofrem de depressão ou problemas mentais, segundo nota divulgada pela Organização Mundial da Saúde (OMS), publicada por ocasião do Dia Mundial da Saúde Mental, que acontece nesta quarta-feira (10).
De acordo com estimativas da OMS, a depressão é comum em todas as regiões do mundo. Um estudo realizado com o apoio da OMS mostra que em torno de 5% de pessoas sofreram com a depressão no último ano.
“As mulheres são mais propensas a sofrer com a depressão do que os homens”, explicou Shekhar Saxena, diretor do Departamento de Saúde Mental e Abuso de Substâncias Psicoativas da OMS.
Assim, o número de mulheres afetadas pela depressão é 50% mais elevado que o dos homens, explicou ainda. Esta maior prevalência nas mulheres se deve principalmente à depressão pós-parto que afeta até uma em cada cinco.
A depressão, segundo a OMS, é diferente das mudanças de humor mais comuns. Ela se manifesta por um sentimento de tristeza que dura, ao menos, duas semanas, e que impede a pessoa de levar uma vida normal.
É fruto da interação de fatores sociais, psicológicos e biológicos. Em muitas ocasiões, está relacionada com a saúde física. Uma doença cardiovascular pode, por exemplo, desencadear a depressão no enfermo.
Além disso, em circunstâncias particulares, como as dificuldades econômicas, o desemprego, as catástrofes naturais e os conflitos podem aumentar o risco de a pessoa sofrer com a depressão.
Nos casos mais graves, a depressão pode levar ao suicídio. Cerca de um milhão de pessoas se suicida a cada ano e uma grande porcentagem delas padece de depressão profunda.
Desenvolvimento
Mais de 50% das pessoas que se suicidam sofriam de depressão, segundo Saxena, que, por outro lado, explica que, quanto mais desenvolvido é o país, mais aumenta a incidência da doença em sua população.
Devido ao estigma que implica esta doença, muitos dos portadores de depressão não admitem que estão doentes. Além disso, segundo o especialista, a depressão muitas vezes está mal diagnostica nos jovens e crianças.
A primeira etapa do tratamento consiste em admitir que se sofre com a doença e buscar ajuda, enfatiza a OMS, que precisa em um comunicado que “quanto antes se coloca o tratamento em andamento, mais eficiente ele é.
Estes tratamentos são do tipo psicossocial e farmacológico. Por outro lado, “a participação ativa das pessoas deprimidas e de seus parentes no tratamento é essencial”, segundo a OMS.
“Existem tratamentos muito eficazes contra a depressão. Infelizmente, menos da metade das pessoas deprimidas recebem os cuidados de que necessitam. Esta cifra é, inclusive, inferior a 10% em muitos países”, conclui Saxena.

Ora a Osteopatia com a sua abordagem holística, encarando o paciente como um todo. Trabalhando as várias restrições existentes no organismo do mesmo poder ser uma ajuda preciosa no combate à depressão.

Por outro lado a própria abordagem do toque físico, que é utilizada na Osteopatia e outras ferramentas que o terapeuta poderá também utilizar, como técnicas de trabalhar os tecidos, orgãos e articulações, como Miofascial, ou Terapia Sacro Craniana, poderão potenciar em muito a cura e a capacidade de auto-cura que os pacientes possuem.

Anúncios

Devo recorrer a um Tratamento de Osteopatia?

O meu caso será para a Osteopatia?

Na verdade, são inúmeras as indicações do tratamento osteopático, excepto tumores e patologias neurológicas graves. As patologias mais frequentes que chegam ao Osteopata são referentes a coluna vertebral, mas a actuação é muito mais ampla.

A osteopatia é recomendada nos seguintes casos: dores de costas agudas e crónicas (cervicalgias, dorsalgias, lombalgias), torcicolos, neuralgia cervicobraquialgias, ciatalgias e ciática, dores de cabeça, lesões traumáticas do sistema músculo-esquelético como é o caso das lesões desportivas, entorses, hérnias discais, epicondilites, cólicas menstruais, insónias, problemas digestivos, respiratórios, cardio-vasculares, renais, endócrinos, ginecológicos, entre outros.

A Osteopatia, assim como a maior parte das terapias alternativas, é particularmente eficaz no campo da prevenção, conseguindo evitar que as disfunções se transformem em doenças crónicas e ou lesões graves, como as artroses ou as hérnias discais, ainda que depois destas estabelecidas, contribua para as aliviar, reduzindo os seus efeitos.

É ainda eficaz como complemento a práticas psicológicas e médicas. Ajustando o equilíbrio interno e eliminando tensões, visa uma harmonia holística do corpo, proporcionando bem-estar.

E os Resultados dos Tratamentos Osteopáticos?

Os resultados costumam aparecer logo na primeira consulta. Melhoram dia a dia, dependendo é claro, da patologia ou da disfunção e do tempo de existência da mesma.

O ideal é a pessoa fazer uso da osteopatia quando começam as primeiras dores e não deixar passar, pois o tempo não cura, antes pelo contrário agrava as situações e aquilo que podia ser evitado passa a ser um problema muitas das vezes incapacitante e que não nos permite tirar o rendimento desejado da vida nem apreciá-la na sua globalidade.